Páginas

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Governista sobre Silveira Júnior: 'A bancada dele vai se esfacelar'

A reforma administrativa anunciada pelo prefeito de Mossoró, Silveira Júnior (PSD), nesta segunda-feira (18) foi recebida com desconfiança por vereadores oposicionistas e, até, situacionistas.
O vereador Francisco Carlos (PV) declarou que, a princípio, apoia as medidas, mas, ao mesmo tempo, coloca em dúvida sua eficácia. “Não podemos ser contrários a qualquer tipo de iniciativa para redução de despesas, uma vez que cobramos a tomada de medidas eficientes, mas temos dúvidas sobre a eficácia das mesmas”, argumentou.
A desconfiança do parlamentar é fruto dos demais pacotes anunciados pelo prefeito que não demonstraram resultados. Francisco Carlos lembrou que, no ano passado, Silveira Júnior anunciou déficit de R$ 8,5 milhões e depois anunciou que estava adotando medidas para reduzir R$ 4,5 milhões, ou seja, metade do déficit.
“Ele, agora, diz que essas medidas tomadas não foram eficientes. Mas não diz por que não foram eficientes. Não diz quais foram aquelas que realmente foram implantadas e quais os efeitos que elas, de fato, tiveram. Aí, agora, chega com um novo pacote administrativo dizendo que vai economizar mais R$ 1,7 milhão. Ora, essas contas não fecham”, indagou.
O vereador disse que lamenta a falta de clareza, de transparência com as medidas que são tomadas pela Prefeitura. “Elas já vêm tarde, bastante tarde, mas a gente torce para que elas tenham os efeitos que ele espera, apesar de duvidar”, acrescentou.
Para Genivan Vale (Pros), as medidas não são adequadas para enfrentar o grave problema de caixa em que o prefeito colocou a Prefeitura. Segundo ele, uma economia de R$ 154 mil por mês não irá resolver a atual situação. “Será que não houve uma troca de seis por meia dúzia, pois extinguiu secretarias, mas criou várias secretarias executivas?”, indagou.
Oficialmente ainda na bancada governista, Tassyo Mardony (PSDB) foi taxativo: não resolve nada essa reforma. Para o vereador, corte mesmo seria reduzir carros alugados, aluguéis de imóveis e contratos de mídia.
Também da bancada do prefeito, Izabel Montenegro (PMDB) prevê dias difíceis para Silveira Júnior depois das medidas. “A bancada dele vai se esfacelar”, afirmou. A parlamentar também colocou dúvidas sobre o projeto de reeleição do prefeito. “Não temos certeza se ele será candidato ou não. Os vereadores vão priorizar seus projetos de reeleição”, complementou.
A resposta da bancada governista às medidas de Silveira foi imediata. Apenas dois vereadores acompanharam o anúncio da reforma administrativa. Quatro deles sequer compareceram à reunião convocada para o Palácio da Resistência, incluindo o líder da bancada, Soldado Jadson (SDD).
Os parlamentares reclamam que não foram consultados sobre as mudanças. Nesta terça-feira (19), Soldado Jadson informou que ainda estava se inteirando sobre o assunto. Prova clara que o projeto não foi discutido com a bancada.
A previsão é que o bloco do prefeito esteja reduzido já no retorno dos trabalhos na Câmara Municipal em fevereiro ou antes, se for convocada sessão extraordinária para votar o projeto.
Por enquanto, Silveira optou por esconder a crise com a sua bancada e declarou que os vereadores tinham compreendido as mudanças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário