Páginas

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Após tentativa de assalto a residência, Juiz defende direito de defesa e manutenção de armas

Juiz revelou que todas as pessoas de sua casa possuem armas e disse que o tiro é praticado como esporte por ele e seus familiares.
Após tentativa de assalto em sua residência na noite desta terça-feira (19), o juiz titular da Vara de Execuções Penais de Natal, Henrique Baltazar, defendeu o direito de manter armas em casa e explicou o ocorrido através das redes sociais. “Antes que surjam versões distorcidas, prefiro mostrar detalhes. Esclareço que tenho algumas armas em casa, sendo todas registradas”, disse o magistrado.
Em outro trecho da publicação, Henrique revelou que todos da sua casa têm armas e sabem atirar. Ele disse também que os bandidos não passaram do portão da sua casa por causa da ação do seu filho. “Ele começou a atirar antes que eles pudessem entrar”, comentou.
O filho do magistrado atirou em um dos bandidos para salvar uma mulher que estava sendo refém dos criminosos. Justificando essa ação, o juiz revelou que os tiros foram disparados para salvar a vítima, que é veterinária e estava sendo feita de refém pelos bandidos.
“A preocupação maior era em salvá-la, pois ela estava sendo refém dos criminosos. Os outros tiros foram disparados de forma com que os assaltantes fugissem e ela pudesse entrar na casa, o que acabou acontecendo”, afirmou Henrique Baltazar.
Ao final da publicação, o Juiz criticou a situação de insegurança do Estado. “Lamento a insegurança pela qual passam os potiguares. As estatísticas mostram leve diminuição dos homicídios, mas os crimes patrimoniais se multiplicam, enquanto o sistema prisional, estraçalhado, não consegue manter presos os criminosos capturados”, desabafou o magistrado.
baltazar-mmmmm
Confira, na íntegra, a postagem de Henrique Baltazar

Antes que surjam versões distorcidas, prefiro mostrar detalhes.
Além do que mostra a reportagem, esclareço que tenho algumas armas em casa, sendo todas registradas. Minha esposa é agente penitenciária, tem arma própria e sabe atirar, o que não foi necessário, porque os bandidos não conseguiram passar do portão quando meu filho começou atirar neles, o que fez logo que o primeiro deles surgiu, com uma pistola na mão.

Onde se posicionou, ela atiraria se o bandido tivesse passado do portão.
Toda minha família sabe atirar, sendo, aliás, o tiro, um esporte que praticamos juntos há muitos anos (alguns troféus são guardados com carinho), sendo a situação enfrentada com responsabilidade.

Não havia A preocupação maior era salvar a veterinária que era refém dos bandidos, sendo os demais tiros disparados de forma que os assaltantes fugissem e ela pudesse entrar em casa, o que aconteceu. 

Um deles atirou nela, mas como estava sob fogo não pode apontar e errou o tiro, apesar dela ter sido levemente ferida por um estilhaço.
Respeito todos que acham que armas não garantem a segurança, mas acredito firmemente no direito de legítima defesa de todo cidadão. No meu caso, as armas em casa e comigo já salvaram minha vida e meu patrimônio algumas vezes, e continuaram sendo a última linha de defesa, quando o Estado fracassa.
Lamento a insegurança pela qual passam os potiguares. As estatísticas mostram leve diminuição dos homicídios, mas os crimes patrimoniais se multiplicam, enquanto o sistema prisional, estraçalhado, não consegue manter presos os criminosos capturados.
Créditos: nominuto.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário